Voltalia terá projeto próprio e parceria no leilão de renovável

Fonte: Valor Econômico
06/09/2017

Klein, presidente da Voltalia no país: “O Brasil representa o maior país para o grupo e continuará sendo estratégico”
A geradora francesa de energias renováveis Voltalia tem duas estratégias traçadas para os próximos dois leilões de energia do Brasil, previstos para dezembro. Enquanto estuda a possibilidade de disputar o leilão com projetos próprios de fontes eólica e solar, a empresa também negocia uma eventual venda de projetos para outros interessados em participar do leilão.
“Olhamos M&As [sigla em inglês para fusões e aquisições] tanto para compra quanto para a venda. Sempre olhamos oportunidades de M&A em função de momento, das oportunidades. Por exemplo, para os próximos leilões, estamos negociando a possível venda de projetos”, diz Robert Klein, presidente da Voltalia no Brasil.
A subsidiária brasileira da companhia possui perto de 2 mil megawatts (MW) de capacidade instalada em projetos de energia eólica e solar e de pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) em diferentes estágios de prospecção e desenvolvimento.
Com 473 MW instalados em operação, o Brasil é o principal mercado da Voltalia, entre os 15 países onde atual, tanto em capacidade instalada quanto em faturamento. “O Brasil representa o maior país para o grupo Voltaria e continuará sendo estratégico para a companhia”, afirmou o executivo, lembrando que, junto com recursos de sócios e financiamentos, a empresa já investiu cerca de R$ 2 bilhões no país.
Com relação aos leilões, que serão dos tipos “A-4″ e “A-6″, negociando contratos para início de fornecimento de energia em 2021 e 2023, respectivamente, Klein explicou que a empresa tem se preparado para disputar tanto com projetos eólicos quanto solares. “Mas a [fonte] eólica tem mais chance do que a solar, pela sua competitividade”, completou.
A estratégia da companhia, porém, não se resume aos leilões. A Voltalia também tem buscado desenvolver empreendimentos voltados para o mercado livre de energia. “Estamos olhado todas as oportunidades. Na ausência dos leilões [nos últimos anos], estamos desenvolvendo trabalho muito forte para tentar assinar contratos no mercado livre, de tal maneira a desenvolver projetos para o ambiente livre”, disse.
Em julho, a Voltalia colocou em operação o parque eólico Vila Acre, de 27,3 MW, em Serra do Mel (RN), com mais de um ano de antecedência em relação ao previsto em contrato. O parque está situado em um “cluster” com potencial de 1,2 mil MW, dos quais 282 MW já estão em operação.